REDES SOCIAIS       
Lucas Di Grassi

Em chegada histórica, Di Grassi sai da pista para vencer

Bloqueado pelo líder, brasileiro “se joga” por fora do traçado com final que repercutiu no mundo inteiro

 

O brasileiro Lucas Di Grassi surpreendeu os 60 mil torcedores presentes ao e-Prix do México ao colocar o carro fora do traçado e conseguir a ultrapassagem que lhe daria a vitória a apenas alguns metros da linha de chegada. O feito levantou o já naturalmente animado público que lotava o Autódromo Hermanos Rodríguez, na Cidade do México, que vibrou muito com a que talvez seja a ultrapassagem mais imprevisível da história da Fórmula E. Com o resultado, Di Grassi passou a ocupar o quarto lugar no campeonato, com 34 pontos, reafirmando sua determinação de brigar pelo segundo título em 2019.

Lucas tomou o segundo lugar do britânico Oliver Rowland na 35ª volta e a partir de então iniciou a perseguição ao líder Pascal Wehrlein (Alemanha), que havia largado da pole e praticamente não havia sido incomodado até então. Nas voltas finais, Di Grassi passou a obrigar o líder a fazer diversas manobras para bloqueá-lo, o que favoreceu a aproximação do pelotão que vinha atrás – a foto da chegada mostra seis carros muito próximos, todos brigando por uma posição no pódio.

Na volta final, todos os pilotos tinham cargas de bateria entre 2% e 1%, o que tornou a chegada totalmente imprevisível, dependendo de como cada um trabalhasse sua conservação de energia nos últimos 2 mil metros. Em uma manobra final desesperada, Wehrlein tentou “espremer” Lucas bloqueando a passagem do brasileiro a poucos metros da bandeirada, jogando o carro todo para a direita. Mas Di Grassi surpreendeu o alemão ao literalmente sair da pista para conquistar o primeiro lugar a apenas dois metros da linha de chegada.

“Foi provavelmente a melhor vitória da minha carreira na Fórmula E, por que nesta pista é difícil ultrapassar e fazer as manobras no momento certo”, conta Di Grassi. “Inicialmente, a estratégia era manter a calma e poupar a energia do carro. E no final minha meta era fazer as ultrapassagens corretamente, o que é difícil aqui. Eu consegui ultrapassar o Oliver Rowland mesmo quando ele estava no modo ataque (que dá potência extra ao piloto)”, destaca Lucas.

A ultrapassagem que lhe valeu a vitória foi mais arriscada. “O Wehrlein foi um pouco mais do que agressivo para defender a posição. Eu sabia que ele estava ficando sem energia. Na última volta, eu estava bem atrás, fingi tentar passar pelo lado de fora e com isso fiz ele abrir um pequeno espaço, o suficiente para colocar o meu carro. E o passei por lá. Foi uma última volta muito maluca. Ele fechou a porta, mas eu consegui passar e vencer. Eu não acreditava que tinha conseguido”.

Até o momento, a Fórmula E realizou quatro etapas, todas com vencedores diferentes. A próxima corrida será disputada no dia 10 de março, em Hong Kong. Confira a classificação do campeonato: 1) Jérôme D’Ambrosio (Bélgica), 53 pontos; 2) António Félix da Costa (Portugal), 46; 3) Sam Bird (Inglaterra), 45; 4) Lucas Di Grassi (Brasil), 34; 5) Pascal Wehrlein (Alemanha), 30; 6) Andre Lotterer (Alemanha), 29.