REDES SOCIAIS       
Stock Car 2019 - 7ª Etapa - Interlagos - CORRIDA DO MILHÃO

Di Grassi é tirado da prova por erro dos comissários

Procedimento incorreto impediu que Lucas pudesse consolidar uma vitória inédita que estava muito próxima

 

 

Lucas Di Grassi vinha sendo o principal nome da Corrida do Milhão, principal prova do automobilismo brasileiro, disputada no domingo (25/8). Depois de ser o mais veloz nos treinos de sexta-feira, Lucas cravou a pole position e se posicionava como o principal nome na briga pela vitória da maior corrida da Stock Car. Mas um erro de procedimento dos comissários desportivos tirou do campeão mundial de Fórmula E a condição de consolidar o primeiro lugar.

Depois de ter liderado a primeira parte da corrida e ter seguido a estratégia da equipe para entrada no box na volta 12, Lucas passou a perseguir o então líder Ricardo Maurício e iniciou a disputa pela ponta. Na ????? volta, Di Grassi entrou no vácuo do rival, emparelhou na reta de chegada e tomou a liderança do bicampeão da Stock Car, utilizando um trecho da pista que conduz para a entrada dos boxes.

Por ter colocado as quatro rodas naquele trecho que conduz para a entrada dos boxes, os comissários consideraram a manobra irregular e deram início ao procedimento de investigação e punição, que acabou pulando uma etapa e impediu que Lucas pudesse continuar na pista brigando pela vitória.

“O procedimento correto é fácil: a direção de provas deveria informar a equipe que eu precisaria devolver a posição para o Ricardinho Maurício. Eu faria essa troca na hora. Esse é um procedimento comum em qualquer categoria do automobilismo mundial, e todos o conhecem bem”, diz Lucas.

“Na Stock Car, as equipes são alertadas com informações na tela da cronometragem”, continua Di Grassi. “No meu caso, o erro foi que indicaram que minha manobra estava sob investigação e, logo depois, em menos de uma volta, surgiu a ordem de drive through. Então não tive chance nem de saber que havia a investigação e processar essa informação de forma a tomar a decisão correta. E muito menos de que deveria devolver a posição para o Ricardinho. E isso foi confirmado pelos comissários depois da prova. É isso o que contesto”.

“É difícil de se conformar que a corrida mais importante do automobilismo brasileiro, de sua categoria mais importante, sofra por causa de uma falha tão básica. Bastava informarem que deveria devolver a posição. Eu iria desacelerar, deixa-lo passar e a briga pela vitória recomeçaria – como é em qualquer das principais categoria do mundo. Foi um erro. E poderia ter sido evitado facilmente. Eu fico chateado, mas especialmente triste por que quem me apoia não teve chance de entender o que estava acontecendo – e isso é inaceitável, por que os fãs são a razão principal do nosso esporte. Também fico chateado pela equipe Eurofarma RC, que me deu um carro muito bom e construiu comigo o que poderia ter sido uma bela vitória. Mas a vida segue. Temos que deixar isso pra trás e partir para a próxima corrida”.